Mais de 12 mil utentes da Unidade de Saúde Familiar (USF) de São Martinho do Campo, em Santo Tirso, vão poder usufruir de consultas de saúde oral, a partir de janeiro de 2018. A medida resulta de um acordo entre a Câmara Municipal de Santo Tirso e o Ministério da Saúde.

Na passada sexta-feira, dia 13 de outubro, o Presidente da Câmara, Joaquim Couto, e o Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, assinaram um protocolo de intenções que possibilitará a realização de consultas de saúde oral gratuitas.

Na prática foi decidido estabelecer uma parceria entre a câmara e o Ministério da Saúde para a colocação de um médico dentista e a respetiva auxiliar ao serviço, funcionando nos mesmos moldes de um médico de família.

Assim, um utente que seja isento também beneficiará de consultas de saúde oral gratuitas, enquanto os restantes utentes pagarão as taxas moderadoras em função do seu escalão.

A Câmara Municipal de Santo Tirso acrescenta que cabe ao Ministério da Saúde fornecer as instalações, tendo sido escolhida a USF de São Martinho do Campo. Do lado da autarquia fica o investimento no equipamento, cerca de 50 mil euros.

A reunião também serviu para discutir um segundo protocolo que visa a implementação de serviços médicos na área de medicina geral dentária, no Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA), com a Cooperativa de Ensino Superior Politécnico Universitário (CESPU).

As consultas de saúde oral arrancam em janeiro de 2018 para os utentes mais carenciados.

De acordo com informações veiculadas domingo à noite pelo comandante dos Bombeiros Voluntários de Santo Tirso, Joaquim Souto, um incêndio obrigou à retirada de duas famílias de idosos de duas habitações em Guimarei, um dado atualizado hoje pela autarquia que fala em mais uma situação em Água Longa envolvendo uma família de três pessoas, uma delas com deficiência.

“Os idosos foram alojados no Solar de São Bento, enquanto a família de Água Longa pernoitou na casa de um familiar. Foram acompanhadas pelos Serviços Sociais da câmara e hoje, cerca das 10:30/11:00 receberam autorização para regressar a suas casas”, indicou à Lusa fonte camarária.

A mesma fonte indicou que em Santo Tirso, distrito do Porto, “não há registo de habitações ardidas”, relatando que “arderam pequenos armazéns que não estavam a ser utilizados”.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram pelo menos 35 mortos e dezenas de feridos, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo assinou um despacho de calamidade pública, abrangendo todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

Portugal acionou o Mecanismo Europeu de Proteção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, no verão, um fogo que alastrou a outros municípios e que provocou 64 mortos e mais de 250 feridos.

Um incêndio em Lamelas, concelho de Santo Tirso, obrigou esta noite à retirada de sete idosos das duas habitações em Guimarei, disse à Lusa o comandante dos Bombeiros Voluntários, Joaquim Souto. “Temos falta de meios. Tivemos que nos limitar à defesa das casas e das pessoas”, admitiu o comandante segundo o qual, a proximidade do fogo de habitações obrigou a, pelas 23h25, retirar cinco pessoas, por prevenção. Segundo o comandante, pelas 01h30 o incêndio ainda não estava controlado, mas não havia casas em risco. “Agora vamos fazer uma avaliação da situação para definir a estratégia de combate ao incêndio”, contou, lamentando a falta de meios de combate. Segundo a página oficial da Proteção Civil, o incêndio em Lamelas deflagrou pelas 14h13 de domingo e pelas 01h30 estava a ser combatido por 57 operacionais, apoiados por 20 veículos.

Já está a funcionar um novo parque de estacionamento gratuito, situado na Avenida Sousa Cruz, com capacidade para 120 viaturas.

Este parque junta-se aos parques de estacionamento localizados no terreno da antiga fábrica da Fecoli e na Rua Nova da Telheira.

Recentemente, entrou em funcionamento um novo parque de estacionamento, localizado na Avenida Sousa Cruz, junto à Loja do Cidadão e à EB 2/3 de São Rosendo. O espaço é de utilização gratuita e conta com capacidade para 120 viaturas.

A par dos projetos implementados no centro da cidade, existem agora mais lugares de estacionamento no Parque Urbano Sara Moreira, estando a funcionar um parque de estacionamento ordenado, com acesso através da Rua de Porto, bem como outro espaço de estacionamento de forma livre, com acesso através da Rua da Rabada.

Desde 2014, Santo Tirso conta já com mais de 800 novos lugares de estacionamento.

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) ordenou ao presidente da Câmara de Santo Tirso, o socialista Joaquim Couto, que se abstenha de prestar declarações sobre obras futuras a realizar pela autarquia, sob pena de incorrer num crime de desobediência.

A deliberação da CNE a que a Lusa teve hoje acesso, datada de 26 de setembro, surge após uma queixa apresentada pelo PPM/PSD relativa a declarações prestadas pelo autarca e recandidato pelo PS, bem como sobre cartazes expostos no concelho.

A CNE ordena a Joaquim Couto que “se abstenha de, no futuro e até ao final do período eleitoral, de prestar declarações sobre obras futuras a realizar pela Câmara Municipal de Santo Tirso, sob pena de incorrer num crime de desobediência”.

A CNE também refere que devem ser retirados, no prazo de 24 horas, os ‘outdoors’ que foram alvo de crítica por parte dos sociais-democratas.

Em comunicado a candidatura da coligação PSD/CDS-PP encabeçada por Andreia Neto, que é oposição à de Joaquim Couto pelo PS, refere que esta deliberação da CNE mostra que “o senhor presidente da Câmara não cumpre, como lhe é exigido, os deveres de neutralidade a que está vinculado”.

A agência Lusa contactou Joaquim Couto que não quis comentar.

São candidatos em Santo Tirso, distrito do Porto, Joaquim Couto (PS), Andreia Neto (PSD/CDS-PP), Maria Augusta Carvalho pela CDU e Henrique Pinheiro Machado como independente.

As eleições autárquicas realizam-se no domingo, dia 01 de outubro.