reis_psdNa passada sexta-feira, o PSD de Santo Tirso realizou a Festa de Reis, na sua sede concelhia.

A festa contou com a presença do Rancho Folclórico de Santiago de Rebordões, que presenteou os militantes e simpatizantes do PSD de Santo Tirso, com as tradicionais cantigas de Reis.

Numa noite de alegria e confraternização, a Presidente do PSD de Santo Tirso, Andreia Neto, desejou aos presentes um excelente ano de 2016, com votos de saúde, alegria e trabalho para todos.

Na passadaandreia_neto_felpinter sexta-feira, dia 16 de Outubro, a Deputada tirsense, Andreia Neto, visitou a empresa Felpinter – Indústrias Têxteis, SA, sediada em São Martinho do Campo.

Esta empresa dedica-se à concepção, fabrico e comercialização de produtos têxteis lar da mais alta qualidade, empregando, actualmente, mais de 400 trabalhadores, na sua maioria residentes nas freguesias do Vale. Os seus produtos destinam-se essencialmente ao mercado internacional, exportando cerca de 90% da sua produção, tendo como principais destinos a América do Norte e a Europa, com destaque para o mercado francês e italiano. A empresa, que tem vindo a aumentar significativamente a sua facturação, pesem as dificuldades sentidas nos últimos quatro anos, tem já em carteira diversas encomendas para o próximo ano, prevendo-se assim o aumento da facturação em 2016.

A Deputada Tirsense, que teve oportunidade de conhecer as modernas instalações da empresa, “destacou o forte investimento feito em tecnologia de ponta, que tem permitido à Felpinter oferecer os seus produtos mediante as necessidades e exigências de mercado, considerando como ganha a aposta feita pela empresa na “criatividade, inovação e design”.

portugal a frenteNo âmbito do programa de atividades da campanha eleitoral das Eleições Legislativas de 2015, a Coligação do PPD/PSD – CDS/PP, “Portugal à Frente”, anunciou para segunda-feira, dia 7, as seguintes visitas a Instituições do nosso concelho:

9h30 – Visita à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Santo Tirso (vermelhos);

11h00 – Visita à Associação de Solidariedade Social de Areias;

12h30 – Visita à Santa Casa da Misericórdia de Santo Tirso;

16h00 – Visita ao Lar da Tranquilidade, em Vila das Aves;

candidato_porto_pdrFrancisco Ferreira Monteiro 57 anos, professor na Universidade do Porto no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, é o cabeça de lista pelo círculo eleitoral do Porto do Partido Democrático Republicano.

Viveu oito anos na Califórnia, para onde foi como bolseiro da Comissão Cultural Luso-Americana, tendo lecionado e feito investigação científica na Universidade Estadual da Califórnia em Fresno e na Universidade da Califórnia em Davis, e sido investigador científico de pós-doutoramento na Universidade de Stanford, em Silicon Valley.

Lidera uma equipa de candidatos a Deputados do PDR que é representativa de vários sectores institucionais e empresariais, e é conhecedora profunda dos problemas que afectam o Distrito do Porto.

Mudar Portugal de modo a melhorar as vidas dos portugueses, é o grande objectivo do Partido Democrático Republicano para a próxima legislatura, como salientou Marinho Pinto, presidente do PDR, na cerimónia de apresentação desta lista no passado Sábado 29 de Agosto.

Andreia NetoSegundo Andreia Neto este é um princípio basilar para PSD.

“Nos órgãos de soberania e em especial na Assembleia da Republica não se discutem temas menores mas temas há, que pela sua relevância e como temas de Estado exigem especial ponderação e reflexão. O tema que o Governo nos traz à discussão não é um tema menor. Quando está em causa a política criminal, quando estão em causa ameaças reais ao Estado de Direito e à segurança das pessoas e dos países, a nossa reflexão deve ser redobrada”. Estas foram as palavras iniciais de Andreia Neto no debate da Proposta de Lei do Governo, na passada sexta-feira, dia 15 de Maio, que define os objetivos, prioridades e orientações de política criminal para o biénio de 2015-2017. Intervindo em nome do PSD, Andreia Neto começou por afirmar que esta discussão diz respeito a uma das matérias mais sensíveis e delicadas do Estado de Direito. “Nessa medida, o Grupo Parlamentar do PSD saúda o Governo por trazer esta matéria à Assembleia da República. O Governo entendeu bem destacar a prevenção e a investigação do flagelo do terrorismo, dos crimes contra a liberdade e autodeterminação sexual, violência doméstica, tráfico de pessoas e órgãos, a corrupção, o branqueamento de capitais e os crimes contra a segurança social, considerando estes crimes como uma das mais sérias ameaças à subsistência do Estado de Direito”.

De seguida, a deputada referiu que uma política criminal tem como objetivos gerais e prevenção e redução da criminalidade, a proteção dos bens jurídicos, a proteção das vítimas e a reintegração dos agentes na sociedade. “A identificação destes crimes na proposta hoje apresentada pelo Governo como prioritária é mais um passo significativo na concretização da nossa política criminal”.

Antes de concluir a sua intervenção, Andreia Neto enfatizou que “para o PSD e para o Governo, qualquer definição da política criminal deve ser pautada pelo respeito pela regra da autonomia da investigação criminal e da independência do poder judicial aos órgãos de soberania. Mas se alguma marca este diploma tem é que faz opções. Governar, legislar, é fazer opções e fazer opções sobre o que é mais relevante. Pois, quando tudo é prioritário, nada é verdadeiramente prioritário e esta será talvez a maior diferença que nos separa do Partido Socialista. O diploma identifica com especial rigor os crimes de prevenção prioritária e os crimes de investigação prioritária sendo este mencionados como uma das mais serias ameaças do Estado de Direito. Termino como comecei aplaudindo uma iniciativa legislativa que pretende adequar as prioridades de prevenção e de investigação criminal aos fenómenos criminais com maior expressão e relevo sociais”.

logopsPS/Santo Tirso repudiou hoje a decisão dos vereadores do PSD/PPM, oposição na autarquia do concelho, por abandonarem por quatro vezes votações em reuniões camarárias, enquanto os visados falam de “quebra de relação de confiança”.

Em comunicado hoje divulgado, a concelhia socialista diz “repudiar veementemente” a decisão da coligação PSD/PPM de não votar em determinados pontos das agendas de reunião de câmara, situação que voltou acontecer na terça-feira passada, aquando da discussão da proposta de celebração de contrato de prestação de serviços para elaboração do Plano de Marketing Estratégico 2014-2020.

“O PS/Santo Tirso não pode deixar de condenar politicamente o comportamento dos vereadores da oposição no executivo municipal, os quais parecem conviver mal com as regras democráticas, revelando mesmo uma surpreendente falta de cultura democrática”, lê-se na nota remetida à agência Lusa.

Os socialistas acusam os vereadores PSD/PPM de “não conseguirem fazer oposição pela oposição”, através “da apresentação de propostas alternativas e exequíveis para o orçamento municipal, em matéria de Educação, Justiça, Saúde, Impostos ou Emprego” e, desta forma, procurarem “chamar a atenção com a inauguração de uma nova forma de fazer política”.

“No concelho Santo Tirso, em virtude do peregrino exemplo dado pelos vereadores da oposição, não é apenas possível votar a favor, contra ou abster-se, mas também ausentar-se cirurgicamente da reunião de câmara na votação dos pontos. E depois regressar, quando bem apetece à oposição”, ironiza a concelhia PS, considerando a situação “se não inédita no país, pelo menos, invulgar”.

Na terça-feira, em declarações à Lusa, o vereador que lidera a coligação PSD/PPM, Alírio Canceles, disse que só votará autorizações prévias para serviços desde que a maioria altere a metodologia de apresentação das mesmas. A oposição exige conhecer pelo menos três propostas para o serviço e a escolha da vencedora.

“Recusamos autorizar cheques em branco”, justificou Alírio Canceles, apontando ter havido uma “quebra na relação de confiança” entre a câmara liderada pelo socialista Joaquim Couto e a oposição, recordando a decisão de entrega da conceção da revista municipal a uma empresa que tem como objeto social comércio de mobiliário.

Esse contrato começou a ser discutido em reunião de câmara a 30 de setembro e a 28 de outubro, também numa sessão camarária, o PSD/PPM anunciou estar pronto para entregar no Mistério Público, Inspeção-Geral das Autarquias Locais (IGAL) e Tribunal de Contas as suas “desconfianças” face a esse ajuste direto, cujo montante é superior a 27 mil euros.

Mas para o PS de Santo Tirso, concelho do distrito do Porto, o “abandono” da votação por parte da oposição “degrada a democracia participativa e afasta os cidadãos eleitores dos eleitos”.