Mar_o_-_teatro_-_Labaret_3_A_Morte

A Câmara Municipal de Santo Tirso vai assinalar as comemorações do Dia Mundial do Teatro com um ciclo composto por quatro peças teatrais. «Labaret 3 – A morte», da companhia Clown Laboratori Porto, «O Avarento», de Molière, «O Tesouro», conto de Manuel António Pina, e «João Sem Medo», com textos de José Gomes Ferreira, sobem a diferentes palcos de equipamentos culturais do concelho, entre 28 de março, sexta-feira, e 13 de abril. Uma programação “eclética” que também aposta na produção local. 

Quatro peças, quatro grupos teatrais, quatro dias, quatro espaços culturais. As comemorações do Dia Mundial do Teatro em Santo Tirso decorrem nos dias 28 e 30 de março e 12 e 13 de abril, com uma programação que pretende marcar visões distintas sobre o teatro. “Quisemos abraçar diferentes objetivos com as peças escolhidas para as comemorações deste ano. Por isso, começámos com uma comédia, continuamos com uma peça mais clássica e terminamos com duas peças mais jovens”, explica o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Joaquim Couto.

Por outro lado, continua o autarca, “procuramos incluir no programa companhias teatrais do concelho, “promovendo o trabalho que estas têm vindo a realiazar nesta área”. Serão os casos do Grupo de Teatro Amador de Monte Córdova e da companha teatral “Os Quatro Ventos” que levam a cena «O Avarento» e «João Sem Medo», respetivamente.

O ciclo de teatro inicia-se com uma comédia, numa interpretação da companhia de teatro Clown Laboratori Porto da peça «Labaret 3 – A Morte», na sexta-feira, pelas 21h30, no Centro Cultural de Vila das Aves. O tema pode parecer sério, mas a abordagem vai muito para além do título. Para maiores de 12 anos,«Labaret 3» é um cabaré sobre a morte. De fora desta peça fica o realismo, para dar lugar ao que de hilariante pode ser encontrado sob este tema. E ficam também as perguntas: De que forma olha um palhaço para a morte? Como habitam os coveiros, os algozes, os cadáveres e as almas penadas? Até onde pode ir a imaginação e a capacidade de rir diante da realidade mais obscura e inelutável da existência humana?

O ciclo de teatro em Santo Tirso prossegue, dois dias depois, com uma peça mais clássica. No domingo, 30 de março, o Salão Paroquial de Monte Córdova receberá, pelas 15h00, «O Avarento» de Molière, levada à cena pelo Grupo de Teatro Amador de Monte Córdova. Trata-se de uma comédia em cinco atos, escrita em 1668 pelo dramaturgo francês Molière que conta a história de Harpagão, personagem austera, desconfiada, ridícula e mesquinha. Em tudo o que faz ou planeia, os bens materiais e os dinheiros sobrepõem-se a tudo, até à vontade e sonhos dos próprios filhos.

As comemorações do Dia Mundial do Teatro estendem-se ao mês de abril. No dia 12, pelas 10h30, a companhia de teatro Pé de Vento leva «O Tesouro» ao auditório da Biblioteca Municipal. No mês das comemorações dos 40 anos da Revolução dos Cravos, e a partir do conto de Manuel António Pina, a peça recorre em diversos momentos a memórias esparsas e fragmentadas, sobretudo sonoras, dos tempos anteriores a Abril de 1974.

Por fim, o ciclo de teatro encerra no dia 13 de abril, pelas 17h30, com a peça «João Sem Medo», que será levada à cena no auditório dos Bombeiros Amarelos pelos Quatro Ventos, uma companhia de teatro semi-profissional de Santo Tirso. A história, baseada no texto original de José Gomes Ferreira, é especialmente dirigida aos mais pequenos. João Sem Medo vive em Chora-Que-Logo-Bebes, uma aldeia onde o medo e o choro reinam dia e noite…

A entrada em todos os espetáculos promovidos pela Câmara Municipal de Santo Tirso é gratuita.

seniores_gcstEm jogo a contar para a 23ª jornada da primeira fase do Campeonato Nacional da 2ª Divisão, os  Seniores, já apurados para a fase final, foram a Fermentões vencer a equipa da casa por 22-27. Apesar da sua situação confortável, a  equipa encarou sempre o jogo com a mesma motivação e vontade de vencer de sempre, acabando assim por vencer com naturalidade este difícil adversário.

As  camadas jovens tiveram também vários compromissos, tendo tido desempenhos muito positivos. Os resultados completos foram os seguintes:

Seniores: Fermentões 22 – Ginásio 27
Iniciados: Ginásio 27 – ABC 37
Infantis: Santana 23 – Ginásio 30
Minis: CALE 14 – Ginásio 19

bola_futebolNenhum dos três líderes cedeu nesta jornada, todos eles venceram e conseguiram mesmo ampliar a vantagem para os seus mais diretos perseguidores, ABCD e Guimarei, agora a 7 pontos de distância. S.Mamede e ARCA sentiram bastantes dificuldades, mas conseguiram vencer os seus anfitriões, ABCD(3-2) e Mourinhense(2-1) e somar os 3 pontos. O FC Rebordões não facilitou e venceu na sua deslocação a Refojos, por uns tranquilos 4-0 a equipa anfitriã. Na Reguenga os anfitriões foram goleados (5-1) por um Água Longa bastante acertivo e eficaz, que subiu uma posição na tabela ao beneficiar da derrota do Mourinhense. FC Caldas criou bastantes problemas ao Guimarei, mas não conseguiu evitar a vitória dos forasteiros(2-1). Tal como se esperava houve muito equilibrio no Tarrio vs Lamelas, jogo que terminou empatado a zero.

Confira a Tabela Classificativa após a 16ªJornada 

2014-03-15A equipa sénior venceu no passado sábado o FC Porto “B” por 30-28, carimbando desta forma a sua presença na Fase Final do Campeonato, isto quando faltam ainda quatro jornadas para o fim desta primeira fase. Num jogo equilibrado, com alternância no marcador, principalmente durante a primeira parte, acabou por vir ao de cima a maior experiência e a qualidade dos jogadores para assegurar mais uma vitória, desta feita frente ao 4º classificado.

Quanto às camadas jovens, os Juniores perderam o seu último jogo da primeira fase, e os Juvenis, que já asseguraram a manutenção na 1ª Divisão Nacional, perderam frente ao Fermentões. Os resultados completos foram os seguintes:

Seniores: Ginásio 30 – FC Porto “B” 28
Juniores: FC Gaia 32 – Ginásio 22
Juvenis: Ginásio 26 – Fermentões 32
Iniciados: Ginásio 17 – AAS Mamede 25
Infantis: Vigorosa 21 – Ginásio 27
Infantis: Ginásio 21 – Macieira 17
Minis: Ginásio 50 – Infesta 4
Minis: Dragon Force 27 – Ginásio 18

descentralizarA Junta de Freguesia da União de Freguesias de Carreira e Refojos foi o local escolhido para realizar a segunda reunião pública descentralizada do executivo da Câmara de Santo Tirso. Nesta nova forma de gestão municipal, o presidente da autarquia, Joaquim Couto, relembrou os objetivos da iniciativa, um dos quais “é permitir aos cidadãos perceber como é que as decisões políticas são tomadas”.

Por outro lado, as sessões públicas são um instrumento de participação que a população tem disponível, tornando o contacto entre os eleitores e os eleitos mais direto. “A política faz-se com as pessoas e estas reuniões descentralizadas contribuem para uma democracia local mais participativa e mais próximas dos cidadãos”, realçou Joaquim Couto, perante uma plateia composta por cerca de duas dezenas de munícipes que esta terça-feira, dia 18 de março, assistiram à reunião camarária. 

A sessão municipal ficou marcada pela aprovação de todos os pontos constantes da ordem do dia e que incidiram, sobretudo, na atribuição de diversos apoios a instituições e juntas de freguesias, num total de 13 050 euros. A maior fatia deste valor, 6750 euros, teve como destino diversas entidades envolvidas na organização do desfile de Carnaval de dia 28 de fevereiro, envolvendo mais de 2500 participantes.

Foram, ainda, aprovadas por unanimidade as propostas de atribuição de um subsídio de 1500 euros para a Junta de Freguesia de Vilarinho, para placas toponímicas, bem como um subsídio de 4500 euros para as festas de Vila das Aves, promovida pela Junta de Freguesia, que se realizam entre 4 e 6 de abril. A terminar a ordem do dia, a Comissão de Festas de S. Rosendo recebeu um subsídio municipal no valor de 300 euros.

Antes do início da reunião do executivo, o presidente da Junta de Freguesia da União das Freguesias de Carreira e Refojos, Luciano Cruz, congratulou-se com a iniciativa do presidente da Câmara Municipal em descentralizar as sessões públicas municipais. “É uma medida extramente importante, até porque há pessoas que não participam nestas reuniões porque não têm possibilidade de se deslocar até à Câmara”, apontou.

cantina-escolarSegundo Francisco Figueiredo, do Sindicato da Hotelaria do Norte, em causa estão os “sucessivos incumprimentos salariais” por parte da empresa, registados desde o ano letivo 2010/2011.

“Não tem pago as compensações por caducidade do contrato e há diferenças nos subsídios de férias e de natal”, referiu.

Em relação à compensação por caducidade, os trabalhadores terão a receber, cada qual, entre 150 a 450 euros, enquanto que os valores em falta dos subsídios ascenderão a 600 euros.

A Lusa contactou a empresa (Nobrecer) para tentar ouvir a administração, mas até ao momento sem sucesso.

Entretanto, e ainda segundo Francisco Figueiredo, hoje estão a registar-se greves também em cantinas de alguns hospitais, em protesto contra o “roubo” no pagamento do trabalho nos feriados.

De acordo com o sindicalista, os hospitais de Vila Real, Chaves, Famalicão, Viana do Castelo, Ponte de Lima e Prelada (Porto) estarão a registar uma adesão à greve “praticamente a 100%”, apenas sendo assegurados os serviços mínimos.

As empresas responsáveis pelo fornecimento das refeições estarão a pagar apenas 25% do valor que pagavam pelo trabalho em dia feriado.