Um incêndio deflagrou, esta quarta-feira, numa vacaria na freguesia de Refojos de Riba de Ave, concelho de Santo Tirso, mas os proprietários conseguiram salvar todos os animais.

De acordo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) do Porto, o incêndio ainda está ativo, estando a ser combatido por três corporações de bombeiros — Santo Tirso, Tirsenses e Aves –, que deslocaram para o local um total de 22 homens.

O alerta de incêndio foi dado cerca das 11.15 horas e as causas ainda são desconhecidas

Irão começar as obras de requalificação do piso da N105 entre Santo Tirso e Vila das Aves (limite do Distrito do Porto).

Esta empreitada avaliada em 1,2 milhões de euros terá a duração de sete meses com o objetivo de requalificar o asfalto da N105 desde Santo Tirso até Vila das Aves.

Foto: Entre Margens.

 

O incêndio que na quarta-feira à noite consumiu parte de uma fábrica de produtos de higiene e limpeza Carvidet causou ferimentos ligeiros num bombeiro, que foi conduzido ao Centro Hospitalar do Médio Ave No local estiveram mais de 90 operacionais a combater as chamas. Segundo o adjunto do Comandante dos Bombeiros Voluntários Tirsenses, Tiago Miranda, o fogo foi “dado como dominado cerca das 00h30”. Estiveram no combate às chamas nove corporações, com 31 veículos e 93 operacionais, acrescentou Tiago Miranda, tendo o único bombeiro ferido sofrido “ferimentos ligeiros”. A origem ainda “é indeterminada”, disse o bombeiro sobre um incêndio que “começou dentro do armazém e chegou também à parte florestal que circunda a zona industrial e está também extinta”. Na fábrica trabalham 15 pessoas, tendo os proprietários acorrido ao local para acompanhar o esforço dos bombeiros e prestar informações, mas escusando-se a falar à comunicação social.

A Câmara de Santo Tirso inaugurou, esta terça-feira, 31 de Julho, o canil/gatil municipal. As instalações estão equipadas para receber até 34 animais, num investimento de cerca de 600 mil euros, totalmente suportado pela autarquia.

O edifício de 2500 metros quadrados, construído de raiz num terreno municipal, “está equipado com 20 boxespara canídeos, sendo uma delas para maternidade, quatro boxes para felídeos, quatro boxes para felídeos em quarentena, duas boxes para canídeos perigosos, duas boxes para canídeos em quarentena e uma box para outras espécies”, refere a autarquia do distrito do Porto.

Situado no lugar de Ermida, na freguesia de Santa Cristina do Couto, no equipamento já se encontram “oito cães, todos recolhidos na via pública”, acrescenta a nota de imprensa. Em termos de serviços prestados, o canil/gatil municipal de Santo Tirso vai intervir na “captura de animais vadios, recolha ao domicílio de animais mortos e vivos, identificação electrónica e vacinação antirrábica – este serviço será pago pelos detentores – e ainda a esterilização de todos os que dão entrada nos Centros de Recolha Oficial de animais de companhia (CRO)”.

Até hoje, lembra a autarquia, e fruto de um protocolo com Guimarães, a câmara levava os animais recolhidos na rua para aquele município vizinho, situação que deixa de se verificar depois de “Santo Tirso passar a ter uma resposta própria”.

Para além do espaço para os animais, no edifício funcionam ainda “dependências de apoio, como vestiários/instalações sanitárias para funcionários, sala de preparação de refeições e de cirurgia, zona administrativa e de armazenamento, consultório de atendimento veterinário e enfermaria”, informa ainda a autarquia.

O Pavilhão Desportivo Municipal de Santo Tirso vai ser alvo de obras de requalificação, com o objetivo de melhorar a eficiência energética e sustentabilidade ambiental e económica do edifício. A intervenção, superior a meio milhão de euros, prevê a instalação de um sistema solar fotovoltaico e um sistema solar térmico para produção de água quente, estimando-se uma redução de 31 por cento nas emissões de CO2.

Em média, cerca de 650 pessoas utilizam diariamente o Pavilhão Desportivo Municipal de Santo Tirso para a prática de atividades como a ginástica, o voleibol, andebol, voleibol ou o futsal, entre outras. Dezasseis anos após a sua construção, estas serão as primeiras grandes obras de beneficiação do equipamento, nomeadamente no seu interior.

O projeto de intervenção contempla a substituição integral da cobertura e a reparação do pavimento desportivo em madeira, localizada na nave do Pavilhão Desportivo Municipal. Além disso, um dos grandes objetivos passa por melhorar a eficiência energética do edifício e, neste contexto, será colocado isolamento térmico na cobertura e instalado um sistema solar fotovoltaico para regime de autoconsumo.

Além disso, a iluminação do pavilhão será toda substituída por tecnologia LED e será colocado um sistema solar térmico, para produção de água quente de uso sanitário. Após a intervenção, haverá uma redução de 12 por cento no consumo de gás natural, bem como de 47 por cento no consumo de eletricidade do pavilhão municipal.

A obra no valor de 512 mil euros é financiada no âmbito de uma candidatura apresentada pela Câmara de Santo Tirso ao Norte2020, dos quais cerca de 230 mil euros são garantidos pela autarquia.

Nove pessoas foram atropeladas e sofreram ferimentos ligeiros na noite deste domingo, depois de terem sido colhidas no Lago Discount, em Ribeirão, Famalicão.

Os feridos foram transportados ao hospital de Famalicão e Cruz Vermelha de Ribeirão, que socorreram as vítimas com apoio da VMER de Famalicão.

Segundo confirmou a GNR à agência Lusa, tratou-se de um acidente relacionado com corridas ilegais. A zona é já conhecida por ter “aceleras” a realizarem alguns piões com várias pessoas a assistir, ao domingo à noite.

A Unidade de Ação Fiscal da Guarda Nacional Republicana (GNR) apreendeu em Santo Tirso, distrito do Porto, 17.560 peças de vestuário contrafeito, no valor de 405 mil euros, anunciou esta terça-feira aquela força policial. Em comunicado enviado à agência Lusa, a GNR informa que a ação, levada a cabo no sábado pelo Destacamento de Ação Fiscal do Porto, ocorreu “no decurso de uma operação de fiscalização de bens em circulação”, seguindo a mercadoria detetada “numa viatura sem que o motorista exibisse qualquer documento que justificasse a sua legal proveniência e destino”. “Após exame realizado às peças de vestuário transportadas, verificou-se que se tratava de produtos contrafeitos”, acrescenta a nota de imprensa. O condutor da viatura, de 30 anos, foi identificado, sendo os factos comunicados ao Tribunal Judicial de Santo Tirso. Em declarações à agência Lusa, o comandante do Destacamento de Ação Fiscal de Coimbra, Rui Chantre, revelou “ser português e residente na zona norte o cidadão que seguia na viatura” intercetada. Segundo o militar, a “mercadoria apreendida constava de t-shirts, polos de meia manga e boxers”, material normalmente “associado ao comércio de feira, mercados e vendas online”.